Prémio Melhor Museu do Ano

19025213_1718628945097044_5594894386185439746_o.jpg

Troféu APOM 
Autor: Fernando Quintas, artista plástico, Professor Auxiliar na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.
As esculturas/troféu criadas para o prémio APOM 2017 tiveram como referência criativa a escultura Biblioteca Specularis (fig. 1 e fig. 2), concebida para a exposição coletiva “Within Light/Inside Glass, an intersection between art and science” realizada em Veneza em 2015.
A partir da escultura Biblioteca Specularis foram criadas 4 esculturas em vidro – série LUMINESCENT.MOUSEION.OPUS de base 20 x 20 cm e de altura variável (entre os 30 e 40 cm). Os materiais utilizados são os mesmos: vidro float (peças realizadas em vitrofusão, utilizando moldes), pedra talhada e azulejos do século XVIII. A particularidade surge de todas as 4 esculturas/troféus possuírem detalhes luminescentes (Fig. 12), ou seja, terem incrustadas pedaços de vidro que, sob a luz Ultravioleta, emitem luz de diferentes cores, consoante os óxidos usados.

O artista fala:
“Os espelhos utilizados na base e numa das faces remetem para o facto de que os livros (e o conhecimento) serem sempre o resultado da influência de outros criadores, que, ao longo de milénios, deixaram testemunho da sua passagem por este frágil mas sublime planeta. Como o Ser Humano, frágil e resiliente ao mesmo tempo, Biblioteca Specularis é uma celebração do Conhecimento, da Arte, da Arquitetura e da singularidade das realizações humanas. ”

Este conceito inspirou a escolha deste troféu para simbolizar o Prémio de Melhor Museu Português. Materializa a visão e a missão dos Museus como lugares em que o tempo se transforma em espaço, em que o conhecimento e a arte se fundem numa experiência única de partilha.
Na essência do Troféu APOM está esta ideia de comunidade em que os Museus criam este elo em vidro, pedra e azulejo.
O Museu vencedor conserva o Troféu durante um ano. No final deste ano, uma das peças fica com o Museu e o Troféu é passado – recomposto com uma nova peça, representando a constante reinvenção e inovação dos Museus Portugueses – para o sucessor.